Dia Nacional do Livro Infantil

Para especialistas, literatura do maravilhoso tem papel importante na formação das crianças

 

Dia Nacional do Livro Infantil é celebrado no dia do nascimento de Monteiro Lobato Roberta Pennafort e Karen Acioly

Neste Dia Nacional do Livro Infantil — a data é a do nascimento de Monteiro Lobato (1882-1948) —, o criador de Emília, Narizinho e Pedrinho é lembrado justamente por suas histórias fantásticas.  Lobato é marco da literatura maravilhosa brasileira, por ter trazido a gerações de leitores alegrias mitológicas como a Cuca, o Saci, a Curupira, entre outros tantos companheiros nossos existência afora.

A escrita maravilhosa desembarcou no Ocidente nas versões pioneiras do italiano Giambatistta Basile, que abririam portas e janelas para Hans Christian Andersen e os Irmãos Grimm. No Brasil, depois de Lobato viriam os textos juvenis de ficção científica dos anos 1960, e os autores do apogeu da literatura infantil e juvenil, Sylvia Orthof, Fernanda Lopes de Almeida, Ana Maria Machado, Maria Clara Machado...

— Meu modo de trabalhar magia e o fantástico é em cima do real. Em “Pedro e a lua” (Jujuba), há um menino, uma pedra e uma tartaruga. A fantasia entra no momento em que a tartaruga é uma pedra e a pedra é um pedaço da lua

— diz Odilon Moraes, aos 30 anos de ilustrações.

— Não tem dragão, fada, duende, mas a possibilidade de dar outro sentido às coisas. A criança está muito mais no mundo concreto do que nós. Quer coisa mais fantasiosa do que o dinheiro do adulto, um pedaço de papel?

O universo do maravilhoso é muito importante para a formação humana, leva o público infantil a outros mundos, ampliando seu repertório e potencial criativo.

 

Fonte: https://oglobo.globo.com

18/04/2019